Sexta, 23 de Fevereiro de 2024
22°C 30°C
Alagoinhas, BA
Publicidade

Câncer de tireoide: novo medicamento aumenta sobrevida em casos avançados, diz estudo

Tratamento também proporciona melhor controle dos sintomas

06/12/2023 às 14h18
Por: Redação Fonte: O Globo
Compartilhe:
O câncer de tireoide é mais comum em mulheres, segundo informações do Inca. — Foto: FreePik
O câncer de tireoide é mais comum em mulheres, segundo informações do Inca. — Foto: FreePik

Um novo medicamento se mostrou eficaz no tratamento de câncer de tireoide avançado. De acordo com estudo publicado recentemente na revista científica New England Journal of Medicine, o selpercatinibe aumentou a sobrevida e melhorou o controle dos sintomas de pacientes com câncer medular de tireoide avançado com mutação do gene RET. O estudo multicêntrico global contou com a participação do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), braço acadêmico e científico da Rede D’Or, e de outras instituições de saúde brasileiras.

No ensaio clínico fase 3, que tem como objetivo atestar a eficácia do tratamento, os pesquisadores comparam o selpercatinibe como outros dois medicamentos, o cabozantinibe ou vandetanibe, que são considerados a primeira linha terapêutica contra esse tipo de tumor. No total, 291 pacientes foram incluídos. Todos tinham doença avançada ou metastática.

Os voluntários foram divididos aleatoriamente para receber o selpercatinibe ou um dos tratamentos padrão - cabozantinibe ou vandetanibe. Os resultados mostraram que entre aqueles que receberam o novo tratamento, a sobrevida livre de progressão da doença após 12 meses foi de 86,8%, contra 65,7% entre os que tomaram cabozantinibe ou vandetanibe.

Além disso, a resposta completa ou parcial ao tratamento também foi superior no grupo que recebeu o selpercatinibe: 69,4% versus 38,8% no grupo tratado com as outras duas medicações. Ou seja, cerca de 70% dos pacientes tratados com selpercatinibe tiveram diminuição do volume do tumor. Houve redução de 72% no risco de progressão tumoral nos pacientes tratados com selpercatinibe e menor necessidade de redução da dose devido a eventos adversos.

“Quando comparado aos dois outros dois medicamentos, o Selpercatinibe se mostra mais eficaz e seguro, proporcionando maior sobrevida livre de progressão dos pacientes com câncer de tireoide avançado ou metastático após um ano de tratamento”, destaca Ana Hoff, pesquisadora do IDOR, chefe da área de endocronologia do Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo) e uma das autoras da pesquisa.

Segundo ela, além de melhor redução tumoral, os pacientes tratados com selpercatinibe se sentem bem pois possuem melhor controle dos sintomas da doença e menos sintomas decorrentes de efeitos colaterais.

O selpercatinibe é uma terapia-alvo oral desenvolvida pela farmacêutica Eli Lilly. O novo tratamento está em estudo para o tratamento de câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP), câncer de tireoide avançado ou metastático e qualquer tumor sólido metastático que tenham fusão ou mutação no gene RET.

 

Câncer de tireoide

 

No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima 4.820 novos casos de câncer de tireoide em 2022, sendo 760 em homens e 4.060 em mulheres. O câncer medular da tireoide é responsável por 5% dos cânceres de tireoide nos EUA.

Esse é um tumor raro, mas mais agressivo do que a maioria dos outros subtipos. O estágio do câncer é um forte preditor prognóstico. Para fator de comparação, a sobrevida relativa em cinco anos para os estágios I a III é de 93% versus 29% para o estágio IV.

Sua mutação indutora mais comum é justamente a no gene RET, onde age o novo medicamento. Essas mutações encontradas em até 50% dos cânceres medular da tireoide esporádicos e em mais de 90% dos hereditários.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Lenium - Criar site de notícias