Sexta, 23 de Fevereiro de 2024
22°C 30°C
Alagoinhas, BA
Publicidade

Palestina Brasileira: documentário acompanha famílias palestinas moradoras do Sul do país

Rio Grande do Sul abriga milhares de imigrantes palestinos e seus descendentes

26/11/2023 às 09h26
Por: Redação Fonte: Brasil de Fato
Compartilhe:
Cartaz do documentário
Cartaz do documentário "A Palestina Brasileira" - Foto: Divulgação

Atualmente calcula-se que a população total de palestinos no mundo é de 6,4 milhões. Desses, 2,6 milhões são registrados como refugiados na Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo, também conhecida pela sigla UNRWA (do inglês United Nations Relief and Works Agency for Palestine Refugees in the Near East). Setenta e três por cento daqueles que evadiram encontram-se em países árabes que têm fronteiras com Israel e seus territórios ocupados.

Segundo o presidente da Federação Árabe Palestina do Brasil (Fepal), Ualid Rabah, a comunidade brasileiro-palestina tem cerca de 200 mil pessoas. Este número tem por base uma pesquisa recente, encomendada pela Câmara de Comércio Árabe-brasileira. Rabah esclarece que são palestinos e descendentes. "A esta altura a maioria são descendentes", afirma.

Somente na região Metropolitana de Porto Alegre são 3 mil palestinos. Rabah também afirma que o Rio Grande do Sul é o estado que mais concentra palestinos e descendentes. A maioria deles vive nas fronteiras da Argentina e do Uruguai.

A cidade de Santana do Livramento, fronteira com Rivera, no Uruguai, concentra o maior número. Inclusive publica um jornal bilíngue (português e árabe) semanal, A Plateia, que foi comprado pelo empresário palestino Antônio Badra em 2002. Mas os palestinos praticamente dominam o comércio de cidades como Chuí, Jaguarão, Quaraí, Barra do Quaraí, Uruguaiana, Itaqui e São Borja.

Um filme com histórias de dois mundos distantes

Filmado no Sul do Brasil e no Oriente Médio, o documentário A Palestina Brasileira revela as raízes de famílias alcançadas pelo apartheid, perseguições e guerras. Questiona sua condição atual e mostra como homens, mulheres e jovens se situam frente aos direitos e valores éticos e religiosos de sua cultura tradicional. São narrativas do vivido, que resgatam lugares perdidos e histórias que ficaram para trás. São memórias compartilhadas, que revivem o passado e o quanto dele ainda resta no presente.


Cartaz do filme A Palestina Brasileira / Divulgação

O filme tem roteiro e direção de Omar L. de Barros Filho e produção de Caco Schmitt e conta a história de seis famílias de imigrantes e refugiados moradores do RS. Como vivem, preservam sua identidade e se relacionam com as sociedades locais? Seus sonhos de paz foram realizados? Pretendem retornar à terra onde nasceram? São algumas das perguntas que norteiam o documentário.

Essas comunidades originadas na nakba (palavra árabe cujo significado é catástrofe ou desastre e que se refere a 1948, ano da criação do Estado de Israel, que foi acompanhada de massacres, agressões e deslocamento forçado da população) buscam, na diáspora, ao serem expulsas da Palestina, a integração plena e uma nova cidadania no Brasil. Aqui, tratam de sobreviver, crescer e conquistar o reconhecimento por sua contribuição econômica, social e cultural. Sofrem muito com a situação atual de seus parentes que ficaram na Faixa de Gaza.

O documentário de 79 minutos foi disponibilizado gratuitamente no canal do YouTube da CenaUmProducoes. Clique aqui para assistir.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Lenium - Criar site de notícias